Política, cultura e generalidades

quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Troféu Tolo do Ano 2015

Como os amigos notaram, não tenho mais paciência nem tempo para escrever no meu blogue. Não sou blogueiro profissional nem militonto em ambiente virtual. Neste ano de 2015, o blogue deixou de ter qualquer periodicidade. Agora o blogue só volta em edições extraordinárias. Geralmente trago para cá alguma coisa importante que já comentei em redes sociais, fóruns e comentários de notícias.

Mas não deixarei 2015 sem o seu contemplado do Troféu Tolo do Ano. Este ano o troféu vai, pela primeira vez, para um próceres da oposição a nível nacional: o governador Geraldo Alckmin. Com ele, o estado de São Paulo passou 2015 no volume morto. Consequência direta de um monopólio de uma empresa de economia mista no abastecimento de água. Economia mista porque antes a monopolista Sabesp era 100% estatal. Continua sendo estatal, mas como o governador lançou ações da empresa em bolsas de valores, agora a empresa prefere remunerar os acionistas minoritários, ao invés de investir no abastecimento de água e na recuperação dos rios que abastecem o estado. Deu no que deu.

Não satisfeito, o governador ressuscitou a militância "pogreçista" paulista, que do contrário teria ficado quieta, com o rabo entre as pernas, com vergonha das lambanças da presidenta incompetenta e do prefeito Suvinil. Isso porque o governador resolveu bagunçar de vez a rede estadual de escolas, jogando alunos pra lá e pra cá (alguns em escolas de áreas dominadas pelo crime) e fechando um monte de escolas. Tolice maior não houve em 2015. A militância "pogreçista" reclamou com razão. Mas botou pra quebrar. Algumas escolas, inclusive.

O Troféu Tolo do Ano 2015 ficou em boas mãos. Ou em más mãos, dependendo do ponto de vista.

Para os amigos leitores que hoje me acompanham mais em outras plataformas do que aqui, faço votos de um feliz 2016. Não vamos dar corda pros que querem que desejemos um feliz 2017, 2018 ou 2019, já dando 2016 como um ano perdido. Se a corja não faz nada por nós, façamos nós mesmos.

Este blogue voltará a qualquer momento em edição extraordinária.

Nenhum comentário:

Postar um comentário